DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO CÂNCER DE LARINGE

O câncer de laringe afeta a região que contém as cordas vocais. Os cânceres que começam na laringe são chamados de câncer de laringe; os cânceres da hipofaringe são chamados de câncer de hipofaringe. (A hipofaringe é a parte da garganta [faringe] que fica ao lado e atrás da laringe.) Estes cânceres são muito próximos uns dos outros e os princípios de tratamento de ambos são semelhantes e podem envolver laringectomia. Embora a discussão abaixo aborde o câncer de laringe, também é geralmente aplicável ao câncer de hipofaringe.

O câncer laríngeo ocorre quando as células malignas aparecem na laringe. A laringe contém as pregas (ou cordas) vocais que, ao vibrar, geram sons que criam voz audível quando as vibrações ecoam pela garganta, boca e nariz. A laringe é dividida em três regiões anatômicas: a glote (no meio da laringe, inclui as cordas vocais); a supraglote (na parte superior, inclui a epiglote, pregas aritenóides e ariepiglóticas, e as falsas cordas vocais); e a subglote (a parte inferior da laringe).

Embora o câncer possa se desenvolver em qualquer parte da laringe, a maioria dos cânceres laríngeos se originam na glote. Os cânceres supraglóticos são menos comuns, e os tumores subglóticos são os menos frequentes.

Anatomia antes e após a laringectomia total
Figura 1: Anatomia antes e após a laringectomia total

O câncer de laringe e hipofaringe pode se espalhar por extensão direta para estruturas adjacentes, por metástase em linfonodos cervicais regionais ou, de modo mais distante, através da corrente sanguínea para outros locais do corpo. Metástases distantes para os pulmões e fígado são mais comuns. Os carcinomas de células escamosas representam 90% a 95% do câncer da laringe e da hipofaringe. O fumo e o consumo abusivo de álcool são os principais fatores de risco para o câncer de laringe. A exposição ao vírus do papiloma humano (HPV) tem sido principalmente associada ao câncer de orofaringe e, em menor grau, ao de laringe e de hipofaringe.

Há cerca de 50.000 a 60.000 laringectomizados nos Estados Unidos. De acordo com a Estatística de Câncer do Programa de Vigilância, Epidemiologia e Resultados Finais (SEER) do Instituto Nacional do Câncer, cerca de 12.250 homens e mulheres são diagnosticados com câncer de laringe a cada ano. O número de novos laringectomizados tem diminuido principalmente porque menos pessoas estão fumando e novas abordagens terapêuticas podem poupar a laringe.

Diagnóstico do Cancêr de Laringe

Os sintomas e sinais de câncer de laringe incluem:

  • Sons respiratórios anormais (agudos)
  • Tosse crônica (com e sem sangue)
  • Dificuldade em engolir
  • Sensação de nó na garganta
  • Rouquidão que não melhora em 1 a 2 semanas
  • Dor no pescoço e dor nas costas
  • Dor de garganta que não melhora em 1 a 2 semanas, mesmo com antibióticos
  • Inchaço ou nódulos no pescoço
  • Perda de peso involuntária

Os sintomas associados ao câncer da laringe dependem da sua localização. A rouquidão persistente pode ser a queixa inicial nos cânceres da glote. Os sintomas posteriores podem incluir dificuldade na deglutição, dor de ouvido, tosse crônica, às vezes sanguinolenta, e rouquidão. Os cânceres supraglóticos são freqüentemente diagnosticados apenas quando causam obstrução das vias aéreas ou linfonodos metastáticos palpáveis.

Os tumores subglóticos primários

Geralmente apresentam rouquidão ou queixas de dificuldade de respiração durante esforço físico. Não há um exame único que possa diagnosticar o câncer com precisão. A avaliação completa de um paciente geralmente requer um exame físico e histórico minucioso, juntamente com testes de diagnóstico. São necessários muitos exames para determinar se uma pessoa tem câncer ou se outra condição (como uma infecção) pode ter sintomas parecidos com os sintomas do câncer.

Testes de diagnóstico eficazes são usados para confirmar ou eliminar a presença de câncer, monitorar seu progresso e planejar e avaliar a eficácia do tratamento. Em alguns casos, é necessário repetir exames se a condição de uma pessoa tiver mudado, se uma amostra coletada não era de boa qualidade, ou se um resultado anormal de exame precisar ser confirmado. Os procedimentos de diagnóstico de câncer podem incluir imagens, exames laboratoriais, biópsia de tumor, exame endoscópico, cirurgia ou teste genético.

 

Acompanhe mais informações nas próximas postagens…

 

2019-04-09T18:44:58+00:00